A pessoa que eu nunca quis ser

Aos poucos vou me transformando na pessoa que eu nunca quis ser. As obrigações me consomem muito mais do que eu gostaria e o tempo e dinheiro são sempre insuficientes para suportar minha ideia de vida dos sonhos.

Vivo reclamando. Reclamo até quando as coisas vão razoavelmente bem e quando elas vão realmente bem, eu me sinto estranha. Parece que não é a minha vida se tudo estiver bem.

Pensa comigo, o quão triste isto pode ser?
Acho que me tornei um tipo de pessoa que eu sempre temi: a que se conforma com o pior. Mesmo sempre colocando minha felicidade em primeiro lugar, mesmo falando pras pessoas fazerem o que as fazem feliz, eu sei o quanto é difícil agir. 

Nunca fui mesmo intensa, sabe, tanto quanto eu gostaria de ser. Sempre fui a fã que escuta só os greatest hits. As coisas comigo sempre aconteceram mais aqui dentro do que fora. As alegrias, os medos, as vontades que eu tenho, as litas que faço e nunca cumpro. Está tudo aqui comigo e isso é o pior.

Nunca estou satisfeita. Reclamo o tempo todo e quando não tem mais motivo pra reclamar eu invento. Minha mente não pára de trabalhar e isso é para o bem e para o mal. Exatamente o tipo de pessoa que eu sentia pena quando era adolescente. 

Agora sinto pena de pessoas preconceituosas, interesseiras e que pensam pequeno. A julgar pelos últimos anos, será que estou no caminho de me tornar este tipo também?
____________________________________________

Curta a fã page do Penso. Me siga no Twitter.

6 leram, refletiram e opinaram:

nanda disse...

Eu poderia escrever um texto enorme, mas infelizmente a mudança está dentro da gente. Só depende de você. Como você já percebeu que não está contente com isso, procure ajuda. Um terapeuta, psicólogo, médico, melhor amiga, namorado, enfim, qualquer pessoa. <3

Ruby disse...

Eu faria um texto bem grande falando de tudo que me aborrece em mim. É tão difícil a gente se livrar dessas coisas que somos, mas não queríamos ser.

Mulher Vitrola disse...

Nãão Dayane, calma menina! É normal a gente ir empurrando certas coisas com a barriga às vezes, mas nossa essência não muda - a não ser que a gente queira. Então, aos poucos, vá mudando a rota... é difícil, mas só depende de você, viu?

Um beijo, e fique bem!
Re

Taís disse...

Você só se torna aquilo que você permite. Também tenho momentos de me comportar como uma pessoa que eu sempre temi ser, uma personalidade que eu não gosto. O jeito é respirar fundo e ter calma, muita calma. Colocar a cabeça no lugar e aos poucos seguindo um rumo melhor.

Clayci disse...

Te entendo bem, há situações que nem penso como agir e acabo sendo tudo aquilo que eu julguei ser errado...
Mas somos humanos, erramos

www.saidaminhalente.com

Leon K. Nunes disse...

Cara, acredito no que você diz e entendo a sua preocupação. É mesmo triste isso. A vida parece afunilar as possibilidades. Será mesmo que a juventude é aquela coisa vazia que os adultos diziam que era, e que nós, na medida em que, cedo ou tarde, alcançamos esse estágio, vamos também dizer, e nos tornar aqueles cidadãos com mais de 30 que achávamos bobões e amargurados? Que horror.