Livro: O Aleph

Durante minha adolescência, mergulhei fundo nas obras de Paulo Coelho. Era uma fase em que estava descobrindo coisas novas, me espiritualizando. Passava tardes praticando os exercícios que aprendia em Brida, Diário de um Mago, Manual do Guerreiro da Luz e outros.

Há anos deixei as leituras de Paulo Coelho para trás e me aventurei em leituras mais complexas. Na hora de escolher um livro pela capa para o 2° mês do Desafio Literário do Tigre, achei que estaria roubando se escolhesse O Aleph - exceto pelo fato de que eu nem sabia do que se tratava. Então sim, foi uma escolha literalmente pela capa.

Vamos à resenha:
Coelho conta sua experiência de viagem no ano de 2006, quando resolveu cruzar um continente inteirinho de trem. A viagem ocorreu em um período em que ele estava estagnado espiritualmente. Guiado por sinais, resolveu fazer esta viagem em busca de uma resposta para uma pergunta que nem ele sabia qual era. Em busca de se encontrar.

Conheceu no início da viagem uma Turca de nome Hilal, uma leitora e grande fã que chegou até ele pois sentiu que ele iria precisar dela. Meio receoso mas sem coragem de negar sinais do universo, Paulo deixa que a estranha siga viagem com ele.

Num determinado espaço no vagão do trem, os dois experimentam O Aleph - um ponto físico que quando encontrado te leva a vivenciar outras dimensões, ver o universo todo de uma só vez. O ponto onde tudo está no mesmo lugar ao mesmo tempo.

Através do Aleph e de exercícios de regressão, Paulo descobre que foi um inquisidor responsável pela morte de Hilal em outra vida. Assim, precisa do perdão dela ao mesmo tempo em que ela precisa perdoá-lo para seguirem em paz.

Nas linhas que contam suas história, diversos ensinamentos e metáforas. Isso sempre me faz bem pois sempre consigo absorver algo de seus livros.

De modo geral não é um livro indispensável ou que me fez ficar presa à história mesmo depois que ela acabou. Do contrário, só terminei para me livrar logo de um livro cansativo e repleto de acontecimentos claramente inseridos para ornar com o tema. Porque certas coisas nesta vida não acontecem dessa forma nem mesmo com um Mago.


Tema do mês de Fev: Julgando pela Capa.

Curta a fã page do Penso. Me siga no Twitter.

4 comentários:

  1. Escolher um livro pela capa não é uma tarefa fácil...
    Afinal...
    Nem sempre a capa fabulosa ampara um bom livro...
    Sinceramente, não gosto dos livros do Paulo Coelho, entretanto...
    Devo reconhecer que ele é um bom escritor...

    Bjo, bjo!!!

    ResponderExcluir
  2. Confesso que só li um livro do Paulo Coelho para saber o que o autor tinha a mostrar e por que tantas pessoas falando *mal* de suas obras (pessoas próximas à mim). E não me encantei nem um pouco com a escrita dele. Mas entendo que os livros dele são bem espirituais, e este é um tema que não me interessa em livros.
    Difícil estar lendo um livro onde a leitura fica arrastada e só queremos terminá-lo :/

    Beijos
    http://mon-autre.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Paulo Coelho. Cara, ouço falar bem mal dele (ou melhor, da escrita dele). Nunca tive vontade de ler nadinha dele, porque a temática que ele costuma abordar em livros não me atrai.
    E essa viagem dele de 2006... Que coisa surreal! hahaha
    Meu lado cético grita nesse momento: "Bobagem! Loucura! Conversa pra boi dormir!".

    Beijo, Day.

    Sacudindo Palavras

    ResponderExcluir
  4. Não sei te explicar, mas nunca li um livro do Paulo Coelho, nem mesmo no auge de suas obras. Quem sabe um dia...

    ResponderExcluir

O que você achou deste Post?
Deixe sua opinião.
Obrigada pela sua visita!