Livro: A Queda de Artur

Por mais que eu não seja uma grande fã de Tolkien, sou de Rei Arthur, por isso adorei saber que existia uma versão da lenda Arturiana deixada - infelizmente inacabada - por Tolkien. Fall of Arthur - J.R.R. Tolkien, foi traduzido e editado por seu filho, Christopher Tolkien, que realizou um verdadeiro estudo para traduzir e entender o contexto em que seu pai desenvolveu o poema sobre Artur e por quais motivos  não o terminou.

Grã-Bretanha, Camelot, Avalon, Excalibur e Cavaleiros da Távola são a temática aqui. Nada de terra média, ainda que exista um capítulo que cruza a relação do poema não escrito com o Silmarillion e brevemente a relação de Tolkien com C.S Lewis e a criação de Númenor, posteriormente quando conta sobre a queda de Númenor, onde é citada Eressea - ou Ilha Solitária - renomeada Avallon - aqui minha mente entrou em colapso.

Apesar de escrito em forma de poesia aliterante - incomum na língua portuguesa - e o uso do inglês antigo, a gente compreende o que se passou na cabeça de Tolkien pai pelas explicações do Tolkien filho (baseado em conclusões próprias e em muita pesquisa).

O poema não acabado narra a campanha de Artur contra os romanos, quando é avisado da traição de Mordred, que em todas as versões é seu filho ou sobrinho e aquele com quem trava uma luta final onde se matam. Narra também a traição de Guinevere com Lancelot, seu amigo mais amado e campeão entre os Cavaleiros da Távola Redonda.

Além de desvendar o máximo possível do poema de seu pai, Christopher traça a relação do poema com Le Morthe d'Arthur, de Thomas Malory, que seria a inspiração de Tolkien para sua própria incursão na lenda de Artur. Além do poema "final", existem ainda 120 páginas de rascunho que foram também estudadas por Christopher Tolkien.

Quem queira se aventurar a ler Fall of Arthur sem conhecer alguma versão da lenda Arturiana, certamente vai largar no meio. Não é um história com começo, meio e fim e sim um estudo aprofundado de uma parte de uma história muito complexa e com diversas versões. Ou seja, é preciso gostar do tema. São quase 290 páginas repetindo os mesmos versos, de formas diferentes, e estudos muitas vezes hipotéticos.

Pra mim foi apenas um conhecimento a mais sobre uma lenda que adoro e jamais me canso de conhecer suas diversas versões. É um livro bom, adorei ter lido e tê-lo na minha estante me enche de orgulho, porém a leitura é difícil e cansativa. Só se aventure se gostar muito mesmo do tema!
Curta a fã page do Penso. Me siga no Twitter.

3 comentários:

  1. Eu sou fã da saga do Rei Artur, mas esse eu não conhecia ainda. E ainda mais em verso, Deve ser mesmo interessante.

    ResponderExcluir
  2. Não conhecia o livro.
    Boa dica para ler nas férias.
    Te desejo um Feliz 2014, cheio de realizações <3
    Beijos <3

    ResponderExcluir
  3. Humm...Acho que não é muito meu estilo, mas já aprendi a não falar "dessa água não beberei" em relação a livros e filmes, depois de ter me rendido ao Hobbit e Senhor dos Anéis....ambos altamente criticados pela minha pessoa preconceituosa que achou que não iria gostar, e no fim, amei..tsc tsc....

    =P

    ResponderExcluir

O que você achou deste Post?
Deixe sua opinião.
Obrigada pela sua visita!