What would you like to do if money was no object?

O que me prende? É minha família, as pessoas que eu gosto, meu relacionamento?
É a necessidade de trabalhar pra ter dinheiro pra gastar com uma vida que nem me satisfaz de verdade?

Pode parecer mentira, mas eu super largaria tudo agora pra viver à la Christopher MacCandless (do filme Into the Wild, o qual estou escutando a trilha sonora enquanto escrevo, acho que super combina afinal).

Não sou um tipo de pessoa "família", não mesmo. Nada me impediria de sair pelo mundo vivendo mil perrengues aventuras, se isso me fizesse feliz. Honestamente feliz.

E depois de ver o vídeo abaixo, eu fiz a reflexão proposta: O que eu gostaria de fazer se o dinheiro não importasse? Certamente eu não estaria em casa, não estaria nesta cidade (que eu amo, apesar). Eu estaria escrevendo, me aperfeiçoando, contando estórias, viajando e conhecendo outras culturas, aprendendo outras línguas, escrevendo minha história de outra maneira.

1:11:  "If you say that getting the money is the most important thing, you’ll spend your life completely wasting your time: you’ll be doing things you don’t like doing in order to go on living, that is, in order to go on doing things you don’t like doing. Which is stupid! Better to have a short life that is full of what you like doing, than a long life spent in a miserable way".

E tem outro documentário, bem ao estilo Into the Wild, chamado 35. Nele escutei a seguinte frase: I don't wanna say "i wish". I wanna say "damn, that was an awesome!".

Estes dois vídeos agora fazem parte do meu aprendizado, da minha busca por me tornar alguém melhor, ainda menos materialista e apegada as coisas, que eu tenha mais coragem para arriscar, que eu perca o medo de errar, que eu seja cada vez mais simples e mais feliz.

Ps: é madrugada okay, tô reflexiva e preciso acordar cedo (pra ter dinheiro pra manter uma vida que não me satisfaz, etc etc). mentira é madrugada de domingo.

Curta a fã page do Penso. Me siga no Twitter.

4 comentários:

  1. Ando fazendo ensaios de como ser menos materialista, e olha que nem me considero tanto, mas há coisas que realmente são desnecessárias e tenho ou quero tem, mas ainda sem conseguir, já estou deixando pra lá. Sempre é bom praticar coisas que parecem estar em escassez, a reflexão por ser mais simples e não se deixar levar pelo que se vê ou é moda.

    ResponderExcluir
  2. Como esse filme do Christopher tem a capacidade de nos comover.
    Esse meu instinto de querer ser livre, não depender de trem e do dinheiro. Aflorou depois que eu assisti esse filme.

    Conheço uma menina que um dos seus irmãos junto com um amigo, foram até o Chile, de carona. E não pense que eles tinham dinheiro. Andaram de pau de arara. Entraram em carro de gente desconhecida. Comeram muita coisa estranha.
    Assim como foram de mochila e chinelo, assim voltaram.
    O primeiro video eu já tinha visto, mas não me canso de ver; Já que eu não tenho coragem de sair de casa e explorar o desconhecido. Ao menos trabalho naquilo que amo. Fazer musica! Não há dinheiro que pague!
    E sobre esse segundo video "35" é GENIAL!

    ResponderExcluir
  3. Já sentia essa vontade dentro de mim. E aflorou quando vi esse filme.
    Se tenho vontade? Muita.
    Se tenho medo? Bastante. Eu ainda não sai da minha cápsula. Vivo enclausurada dentro dos meus pensamentos querendo liberdade, aspirando essa vontade.

    Abraço

    ResponderExcluir
  4. Acho que não apenas a falta de dinheiro que impede muitas coisas na vida, mas o medo também...
    Parei para refletir por alguns momentos, e o que eu faria se o dinheiro não importasse...tantas coisas...nem sei por onde começar.....
    Melhor nem pensar muito para não me frustrar!
    =P

    ResponderExcluir

O que você achou deste Post?
Deixe sua opinião.
Obrigada pela sua visita!