As Aventuras de Pi

O Filme As Aventuras de Pi é uma adaptação do livro "Life of Pi" de Yann Martel, que narra a vida de um indiano, Piscine Patel, que vive com seus pais e irmãos no zoológico da família. Após problemas financeiros, a família de Pi precisa se mudar para o Canadá e já a bordo de uma navio cargueiro com todos os animais do zoológico, eles naufragam. Pi consegue sobreviver em um bote salva-vidas, mas está em companhia de uma zebra, uma hiena, um orangotango e um tigre de bengala.

A princípio parece uma historinha infanto-juvenil em que humanos convivem pacificamente com animais. Mas não, é totalmente o contrário. É uma história sobre sobrevivência, sobre instintos animais, sobre fé e como tudo está conectado na natureza.


Levado para as telas do cinema pelo chinês Ang Lee, Life of Pi é um filme para se ver em tela grande, se possível em 3D.. é um deleite visual em suas diversas cenas de natureza, das belezas da vida marinha, da imensidão do mar que em seu horizonte se confunde com o céu.. é um retrato de todas as coisas incríveis que Pi Patel presenciou em sete meses no mar.



O filme traz Pi Patel já velho contando como foi parar em um bote com um tigre de bengala chamado Richard Parker - á um jornalista que chega até ele atrás de uma história para escrever seu próximo livro - uma história que promete fazê-lo crer em Deus. Passamos então pela infância de Pi na índia, conhecemos a origem do seu nome e todo o Bullying que ele sofreu por causa de seu nome, até toda sua saga religiosa.

Ao perder toda sua família no mar, Pi se percebe sozinho com um carnívoro perigoso e começa a lutar para sobreviver. Richard Parker não é apenas uma ameaça, mas é o que faz Pi sobreviver por tanto tempo. Satisfazer as necessidades do tigre o mantém vivo, pois se o tigre ficar com fome, Pi vai virar alimento. Pi estabelece o seu território dentro do bote, deixando Richard Parker com o dele, pois é assim que funciona com os animais.


Me arrisco a dizer que um detalhe no final do filme poderia ter colocado tudo a perder, mas Ang Lee soube fazer da forma certa: A despedida de Pi e Richard Parker. Enquanto o tigre apenas correu para a selva, Pi Patel chorou, magoado, pelo tigre ter ido embora assim, sem cerimônia. Essa é uma das essências da história: Animais selvagens são animais e não nossos amigos.

Todo o véu religiosos colocado sobre a história torna tudo mais bonito até mesmo para aqueles que não se interessam/comovem com histórias deste tipo. Pi é alguém que perdeu tudo, mas jamais perdeu a fé. Toda a beleza que vivenciou e que é inacreditável para quem escuta sua narrativa, é para ele provas de que Deus o está auxiliando todo o tempo. 


Destaque para a atuação do garoto que interpreta Pi na juventude, que foi comovente ainda mais se tratando de atuar quase que completamente com o nada, afinal o tigre foi recriado em ambiente digital, assim como os cenários digitais perfeitos. O tigre é um espetáculo a parte, tão perfeito que coloca em dúvida se realmente não tinha um tigre de verdade dentro do bote.

Esse é um filme que foi feito de forma tocante, abusando do apelo visual, da bela trilha sonora, da emoção. O que posso dizer afinal é: Assista o filme e acredite no inacreditável!




Já curtiu a fã page do Penso? Então clique aqui e dá uma curtida linda e cheia de amor, pois lá eu posto coisas diariamente! E também me siga no @PetitDay ! Por favor, responda a enquete ao lado sobre o que você gosta mais de ler por aqui ?!

9 comentários:

  1. Deve ser bonitinho, vou assistir! =]

    ResponderExcluir
  2. Adorei sua resenha!

    Beijo enormeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeee...

    ResponderExcluir
  3. O post me despertou uma vontade de ver o filme. Eu estava com o pé atrás com esse filme, porque filmes com uma fotografia tão impecável assim costumam deixar a estória a desejar um pouco ( me decepcionei um pouquinho dom Hugo Cabret), mas agora quero muito ver, e no cinema!

    ResponderExcluir
  4. Na verdade, a segunda história é a real, mas como é tão cruel e absurda, todos os personagens do filme e também quem assiste se recusa a aceita-la, aceitando a primeira (apesar de apresentar elementos obviamente absurdos).
    Como a aventura real foi muito traumatizante, ele acaba criando uma versão fantasiosa onde a hiena é o cozinheiro, a zebra é o buda feliz ,o orangotango é a mãe dele e o tigre é ele.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa teoria é interessante.. mas eu prefiro acreditar na história fantasiosa! Bem, faria sentido sim se fosse tudo ilusão dele, ou invenção mesmo! Mas ainda estou lendo o livro e espero tirar uma conclusão mais segura no fim! =)

      Excluir
    2. Concordo com vc, a segunda história é o que realmente aconteceu. Chega a decepcionar um pouco, de início, qdo nos deparamos com a realidade, depois de nos envolvermos tão intensamente com a história contada no decorrer do filme. Mas seria improvável aqueles animais irem parar no bote. Tudo o que foi contado no início do filme, as religiões que ele se interessou, até o aspecto racional ensinado pelo pai foram fundamentais no decorrer da trama. O tigre (imaginário) foi, segundo as próprias palavras de Pi, o que o salvou. E indo mais a fundo, o " medo" e o " respeito" que seu pai o ensinou a ter pelo tigre, foi o que o manteve alerta. Quando todo mundo morreu no bote, só sobrou ele e o tigre (imaginário), dessa vez entra o aspecto religioso, na minha opinião o tigre representava sua fé ou o próprio Deus. Posso até ter " viajado" mas esse filme é pra isso mesmo! Abraço Fabi

      Excluir
    3. Concordo com vc, a segunda história é o que realmente aconteceu. Chega a decepcionar um pouco, de início, qdo nos deparamos com a realidade, depois de nos envolvermos tão intensamente com a história contada no decorrer do filme. Mas seria improvável aqueles animais irem parar no bote. Tudo o que foi contado no início do filme, as religiões que ele se interessou, até o aspecto racional ensinado pelo pai foram fundamentais no decorrer da trama. O tigre (imaginário) foi, segundo as próprias palavras de Pi, o que o salvou. E indo mais a fundo, o " medo" e o " respeito" que seu pai o ensinou a ter pelo tigre, foi o que o manteve alerta. Quando todo mundo morreu no bote, só sobrou ele e o tigre (imaginário), dessa vez entra o aspecto religioso, na minha opinião o tigre representava sua fé ou o próprio Deus. Posso até ter " viajado" mas esse filme é pra isso mesmo! Abraço Fabi

      Excluir
  5. Amei a resenha sobre "As Aventuras de PI". Que linda história! Sobrevivência, instinto e fé. A tríade necessária na vida de todo o ser humano. Pena que algumas pessoas são irracionais demais para perceberem isso. E então eles sentenciam o seu próprio fim. Ainda não vi o filme, mas com certeza o verei até o final do mês. Abraços, Lu Janis - (Cinéfilos Uni-vos)

    ResponderExcluir
  6. Não acredito em uma história certa, pois é filme é metafórico, acredito que sejam a comparação de duas histórias parecidas com personagens diferentes, assim como as religiões, onde temos as religiões com personagens diferentes mas que na verdade são quase a mesma história, levando a um mesmo objetivo Deus, assim como as duas histórias só levam Pi a sobreviver.

    ResponderExcluir

O que você achou deste Post?
Deixe sua opinião.
Obrigada pela sua visita!