Alice no País dos Espelhos- Editora Martin Claret

O Penso, Logo... Blogo! fechou uma parceria com a Editora Martin Claret! Isso mesmo! Agora lerei livros da Editora e farei resenhas para vocês!
Sobre a Martin Claret:


A Editora Martin Claret foi fundada em São Paulo, no início da década de 1970, pelo empresário, editor e jornalista gaúcho Martin Claret, para publicar, em um primeiro momento, as obras do filósofo e educador brasileiro Huberto Rohden, autor mundialmente conhecido de mais de 65 obras sobre filosofia, religião, ciência e educação.
Hoje, a Editora possui aproximadamente 500 títulos em catálogo, de obras-primas da literatura universal, de filosofia, direito, política, sociologia e religião. É uma empresa editorial altamente diferenciada, operando em nichos criados pela própria empresa.
Em 1982, o fundador da Editora lançou na indústria editorial brasileira o livro-clipping (o livro montado, de vários autores), voltado para o crescimento espiritual e humano do leitor. Nesse segmento, possui atualmente 6 coleções, com mais de 150 títulos.
Outra inovação da Editora foi o livro-pocket com alta qualidade gráfica, a preços acessíveis, com a coleção A Obra-Prima de Cada Autor, cuja proposta é de 500 títulos, dos quais a editora já publicou 300 volumes. Grande parte desses títulos são recomendados ou adotados em escolas, faculdades e vestibulares.

Contatos:
Site 
Blog
Twitter


Agora a primeira resenha é do livro "Alice no País dos espelhos" de Lewis Carroll. No original "Através do espelho e o que Alice encontrou por lá".
O livro segue a linha de seu antecessor, Alice no País das Maravilhas, com nossa heroína sozinha e entendiada, com uma imaginação para lá de fértil, imagina realidades paralelas. Enquanto se distrai na sala com suas duas gatinhas, enquanto conversa sozinha, Alice imagina o que terá atrás do espelho. 

Ao "entrar" no espelho, Alice conhece criaturas excêntricas e  que nunca antes haviam visto uma menina de verdade, e que vivem em uma realidade onde tudo acontece ao contrário- assim como vemos o mundo ao olhar em um espelho!

Carrol continua brincando com nosso psicologico, construindo diálogos que aparentemente não tem nada á ver com nada, mas que mesmo assim, nos dizem muito. Adoro esses livros infanto-juvenis, que na verdade são escrito também para adultos. 
Um trecho:
- Quando eu emprego uma palavra - replicou Humpty Dumpty insolentemente-, ela quer dizer exatamente o que eu quero que ela diga; nem mais nem menos.
- A questão é se o senhor pode fazer as palavras dizerem tantas coisas tão diferentes.
- A questão é qual delas é a principal, isso é tudo!
Alice, assombrada, nem podia falar; dali a um momento ele continuou:
- As palavras têm, um caráter; algumas...... principalmente os verbos... são muito orgulhosas. Dos adjetivos você pode fazer qualquer coisa, mas não é assim com os verbos... Entretando, eu posso fazer delas o que eu quero! Impenetrablidade! É o que eu digo!
- Quer o senhor ter a bondade de me dizer o que isso significa?
- Ah! Agora você fala como uma criança de juízo!- disse Humpty Dumpty, muito satisfeito. - Eu quero dizer... com a palavra "impenetrabilidade"..., que já chega deste assunto, e que seria justo que você dissesse também o que vai fazer agora, porque não creio que pretenda passar aqui o resto da vida.
- Isso é muita coisa para uma palavra dizer- replicou Alice pensativa.
- Quando eu faço as palavras executar um trabalho extraordinário como esse, sempre pago à parte!

Em Alice no País dos espelhos, o jogo é de Xadrez (lembram que no País das Maravilhas, era jogo de cartas), então já se nota que a história é muito parecida com Alice no Pais das Maravilhas, apesar da mudança de ambiente e personagens, ainda é a mesma Alice reclamona e de imaginação fértil!
Para quem é fã de Alice, e do mundo maluco de Carrol, é obrigatório essa leitura!

Saiba mais sobre o Livro e onde comprar aqui;

7 comentários:

  1. Eu adoro Alice, uma vez um amigo meu me disse que o segredo é sempre correr atrás do coelho rsrs... Eu tento, o difícil é consegui! Enfim amo Lewis!!!

    Eu nunca esqueço uma passagem do livro do país Das Maravilhas na qual Alice pergunta como faz para entrar o personagem responde: <><>"Mas, afinal, você deve entrar?... Esta é a primeira pergunta."

    Toda vez que quero descobrir algo me pergunto isso... No caso de Alice ela sempre quer entrar, descobri... Será que é prudente ser Alice?!?!?
    ____________

    P.S.: Viajei geral, eu sei... Mas é da vida néh, essa coisas de ter amiga doida rsrsrs

    ResponderExcluir
  2. Ah eu gosto bastante de PLL, acho que tu vai gostar. Tem bastante mistério, faz a gente querer assistir sem parar pra descobrir tudo haha. Quais séries tu assiste?

    ResponderExcluir
  3. kkkkkkkkkkkkk que tenso! Nossa, eu tenho uns 4 pares de chinelo. Aqui faz muito calor e tem a praia, todo mundo aqui precisa de chinelo haha. Aw eu também amo Friends e The big bang theory, as outras nunca assisti. bjs

    ResponderExcluir
  4. Eu ainda não li Alice nos País das Maravilhas, é um clássico que não li na infância, infelizmente, claro que quero ler esse Alice no país dos espelhos, achei bem interessante mesmo sendo parecido com o outro *_*

    E ah, parabéns pela parceria com a Martin!

    Beijos
    Meu outro lado

    ResponderExcluir
  5. Dayane nem sabes o quanto fico contente por isso, pois és uma pessoa que sempre admirei pela qualidade dos textos escritos.

    Você merece!

    Parabéns, minha querida!

    ResponderExcluir
  6. Lewis Carroll e sua Alice continuam rendendo! Inspirações pra outras obras, para nossa alegria. Com certeza, vai pegar.

    ResponderExcluir
  7. Putz!Parabéns pela parceria!Tenho alguns livros da Martin Claret em edição de bolso,inclusive Alice no país das maravilhas.

    ResponderExcluir

O que você achou deste Post?
Deixe sua opinião.
Obrigada pela sua visita!