De cabeça erguida


Ela entrou no ônibus de cabeça erguida e um leve sorriso no rosto, ou talvez, fosse apenas a áurea dela mesmo. Estava com uma bermuda, uma camisa branca, uma bolsa grande e estilosa e um óculos de sol, desses modernosos, grandes. Altura mediana, uns 20 anos de idade, talvez 22 e loira. Não tinha cabelos, apenas alguns fios finos mostravam que eram loiros, quando os tinha. Rosto angelical, magrinha e com ar de leveza.

Comecei a pensar o que levaria uma moça jovem e linda a raspar a cabeça. Então só pude deduzir que ela estava com algum tipo de câncer. E o cabelo não estava por completo raspado, havia alguns fios, bem finos na parte de trás da cabeça, talvez deixados ali por descuido, talvez as últimas lembranças desse artifício feminino. Se ela quisesse ser careca por opção, teria tirado tudo, creio eu. Mas seja qual for o motivo, e eu prefiro pensar que ela estava sem cabelos por doença e não por estilo, ela levava na alma a leveza da paz. A felicidade estava no rosto dela.


As vezes eu não quero sair na rua porque estou com o cabelo feio, sem maquiagem, mal vestida, e aquela menina, tão linda e tão jovem, estava no meio de um ônibus razoávelmente cheio, com a cabeça erguida. Eu que abaixo a cabeça e não encaro absolutamente ninguém que olha pra minha cara, vi aquela menina olhar firme para quem a encarava. Ela dizia com o olhar: Não tenho cabelo, e por isso sou diferente de você?


Por coincidência ou não, ela desceu em frente á um hospital. Foi andando pela calçada, com aquele ar peculiar de leveza, com seu fone de ouvido, parecia que gingava ao ritmo da música. Talvez fosse apenas o andar de alguém que esta de bem com a vida.

Fiquei ali, olhando pela janela e pensando nas minhas atitudes no dia a dia. Eu que sempre ando com a cara fechada, não puxo assunto, não dou assunto e sempre fico pensando como minha vida é um saco! Não dou valor para as coisas que tenho, minha liberdade de ir e vir, minha certa independência, minha saúde, meu cabelo. E ter que ver uma pessoa mais ou menos da minha idade, andar pela rua com a dignidade de alguém que carrega o mundo nas costas e mesmo assim diz: Eu posso!


O que é a vaidade então? É só uma capa dos seres humanos para ocultar o que vai por dentro de sua alma? Uma roupa, uma maquiagem, um óculos escuros, podem te camuflar e esconder o que tem por dentro. Sejam doenças do corpo ou doenças da alma. E se você perder o seu cabelo? Seu precioso cabelo, hidratado e escovado toda semana? Vais permanecer o mesmo? O mesmo charme, a mesma felicidade? Vai entrar no ônibus de cabeça erguida?

Curta a fan page do Penso clicando aqui e me siga no @PetitDay!!

36 leram, refletiram e opinaram:

Raphael Nara Pereira disse...

Daay, só uma coisa pra te falar...

Vc eh fenomenal!

Sua visão e a forma como se expressou me encantou completamente.

Beijos!

Pedro Novaes disse...

"Eu que sempre ando com a cara fechada, não puxo assunto, não dou assunto e sempre fico pensando como minha vida é um saco! Não dou valor para as coisas que tenho, minha liberdade de ir e vir, minha certa independência, minha saúde, meu cabelo."

Da onde vc me conhece rs!!

Parabéns pelo blog, vc escreve muito bem, seu texto é ótimo!!

http://pedrolusi.blogspot.com/

Calvin Watterson disse...

Eu prefiro continuar fechado em coletivos e lugares do tipo...Poucos no mundo podem ter minha confiança pra encarar-me nos olhos.Não é o tipo de coisa que devemos oferecer a qualquer estranho,na minha ótica.

Calvin Watterson www.finalzindefesta.blogspot.com

Juliana Dias disse...

Seu texto é a mais pura verdade! Não damos valor às coisas simples da vida e isso é a nossa realidade! Que bom que ainda existem pessoas como vc que refletem e não apenas conceituam.

Beijo Grande!

Clara disse...

Oi...
belo texto..
algumas vezes essas pessoas surgem na nossa vida e nos levam a momentos de reflexão..aí passam-se alguns dias e esquecemos completamente delas e voltamos a reclamar das mesmas coisas...
por isso acho que isso é algo que deveríamos refletir mais constantemente né!
beijos!

Alexandre Terra disse...

mt bom o seu texto, realmente faz refletir mesmo......nao adianta nada agente ficar de mal com a vida, nd vai se resolver assim.......

http://alexandreterra.blogspot.com/

Bruno Andrade disse...

belo texto !

Gustavo Lincoln disse...

A sua visão e a forma de se expressar são fantásticas! Me fez ficar pensativo comigo mesmo. Parabéns, tem uma excelente habilidade de escrever, persoasiva até.

dá uma passadinha no meu, retribua a visita e deixe um comentário ;)

www.gustavolincolnadm.blogspot.com

Lina disse...

sabe aquela coisa de as vezes se ver nos posts alheios?
é mais ou menos isso...
Muitas vezes me senti assim e para fugir de mim, do mau estar que provoco até pra mim por conta de manhãs mal amanhecidas, cortava o cabelo e deixava ele liso, pq achava que assim me camuflaria a tristeza ou tvz me sentisse melhor..
Ainda sou materialista demais e ligo muito pra essas futilidades e não sei se entraria de cabeça erguida em tal coletivo... A não ser que estivesse com a boina ou o lenço...
enfim...

www.gritosquenaodei.blogspot.com

Ana Seerig disse...

Ótimo!

Só quando vemos pessoas assim é que percebemos o quanto somos estúpidos e ingratos pelo que somos e com quem nos cerca.

Texto excelente!

Temos que parar de reclamar de nós mesmos e enfrentar os problemas. Pensar que os problemas podiam ser piores, enxergar que tem gente em estado pior que enfrenta o que vem sem problema.

Mas o ser humano sempre é fraco e reclama de tudo e de todos. Quem sabe um dia as coisas mudem, torço pra isso!

Vim aqui te agradecer a visita e deparei com esse texto maravilhoso. Voltarei aqui mais vezes!

Beijo, parabéns pelo blog!

Talles Bertann disse...

Esse é o típico olho preconceituoso.

Pra mim todo ser humano é preconceituoso, sem esseções.

Mesmo que haja uma máxima que julgam as pessoas normais terem cabelos, no caso, eu acho isso completamente estúpido.

Ao invés de se preocuparem com elas mesmas, estão sempre criticando o próximo.

É o mundo em que vivemos.

Belo texto! :)

L.A.G. disse...

Vendo os problemas dos outros percebemos como, às vezes, s nossos são pequenos e podemos viver a vida com menos preocupação!

Anônimo disse...

Day: como sempre tocante!!! Eu lhe digo que a sensação é a mesma. tenho que reconhcer minha estupida vaidade. Eu não posso nega-la. Não acredito que eu não acabaria em um poço de auto-piedade caso perdesse meus cabelos, que são feios (Chapinha, fazê o quê?), mas tenho.
Ou talvez me supreenderia comigo mesma. Vários casos de câncer na minha família. Talvez venha acontecer comigo, talvez não. Mas sei bem da dor daqueles que a tem. Sei bem ver os cabelos indo embora com a vaidade , acredito eu, porque naquele momento, existem outras coisas tão mais importantes, a dor é tão grande, que os cabelos viram nada, sua carcaça vira nada, voce so quer se tornar belo por dentro de novo, sadio.

bjs

Babizinha disse...

Lembrei-me do texto "Deficiências" de Mário Quintana. Infelizmente, somos hipócritas, pois negamos o mundo e a quem realmente somos.

Só aprendemos a dar valor quando sentimos na pele. E inteligente é aquele que ao ver e ler exemplos como esses resolvem modificar suas atitudes perante à vida!

Ótimo texto, essa reflexão incuta foi arrebatadora!

Beijos
;*

Amanda Oliveira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Amanda Oliveira disse...

Adorei o post!
Como já conversamos inúmeras vezes, o melhor que temos que fazer é encarar nossa vida de frente, mostrarmos forças e sabermos lutar contra o que for. Seja um desejo, um sonho, um ideal, um amor, não importa, devemos saber o que queremos e ir em frente.

Day, vc é foda!!

Janinha Maciel disse...

Belo texto...É verdade as pessoas se tornam exemplo d garra e coragem p/ todos a sua volta...

Qm sabe, ñ fosse msm por estilo,ta quase na cara q ñ é...Mas foi a maneira q ela encontrou d erguer a cabeça...

Cada um tem uma história pra contar e c/ isso vem os apredizados!!

Enquanto isso vida passa e nós borramos a cara e vestimos a maskara pra ñ mostrar a essencia tal essencia q se ve pelo brilho do olhar...

Adorei conversar um poukinhu no msn bjus

B. disse...

O tempo vai passando e cada dia nos enganamos mais sobre nós mesmos... A vida é curtaa para nos preocuparmos com as futilidades... devemos aproveitar e agradecer pelo que temos!

adorei seu texto :*

B. disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Mikaele Tavares disse...

Nossa...Que belo texto..Gostei da conclusão que vc tirou neste dia no ônibus...Cada um deve ser feliz do jeito que é e procurando o seu melhor,minha opinião.

Beijos

Mary Caroline disse...

Nossa Dai.. muito bom mesmo!! É nessas horas que agente para, pensa e dá maior valor á vida.. todos nós, seres-humanos, até por sermos SERES-HUMANOS não damos valor mesmo á coisas simples da vida.. talvez até mesmo essa moça não dava, antes de ter a doença,e após tê-la percebeu o quão maravilhoso é viver, e aproveitar cada segundinho, cada momento que passa!! Infelizmente ás vezes é necessário um golpe do destino para aprendermos certas coisas...

Ross Diniz disse...

Uhuu...

Gosto de blog atualizados!!!

Visite o meu dpois

http://tagsdisney.blogspot.com/

Cris disse...

Belo texto (2) e belo blogger tbm :D

Leonardo disse...

que texto! assim como varios outros que vc escreve, nos toca! muito bonita essa sua visão, isso serve para darmos valor a vida que temo e a saude.

Lorrane Fattobene disse...

Texto para refletir. Realmente na maioria das vezes damos mais valor ao superficial do que ao que está por dentro.

você escreve muito bem
:*

Vinicius Fleury disse...

Bem escrito (sendo história verdadeira ou não). É como eu sempre digo: problemas todo mundo tem, o que os diferencia é a gravidade. Quem se preocuparia com aparência quando corre risco de vida? (pior que tem quem...)
Conheci seu blog por um rapaz que comentou no meu. Quando quiser, visite! É do mesmo estilo que o seu: uso para expressar opiniões, idéias e críticas mediante ao mundo. Vais gostar: http://livromecanico.blogspot.com/

Beijo e parabéns!

Felicidade disse...

Menina adorei o texto, é verdade nunca damos valor ao que temos isso quando não estamos reclamando de algo que esta perfeito na gente...

o importante é perceber que existem situações que nos elevam espiritualmente fazendo com que nos aceitemos do jeito que somos ne verdade?

beijos

Juliane disse...

Quando eu vejo essas coisas tb fico pensando na minha vida, tento comparar as minhas ideias, meu modo de pensar ate entao, e tiro boa lição, assim como vc. Belo ponto de vista!

doce anjo disse...

Me de licença acabei de chegar e me deparar com essa obra maravilhosa, que e seu blog, sou mais um seguidor seu espero vc em breve em meu holl seguidores tbm bjux timo final de semana voltarei sempre Bjux e Seja bem vinda

Marcelo disse...

Olha Day, esse texto pode emocionar qualquer um, ate mesmo alguem dificil como eu! Bom conhecer pessoas que tem algo por dentro e não apenas futilidades. Eu como homem posso dizer que te admiro demais!

Ross Diniz disse...

Seu texto me encantou...
Mto bom!!!
Parabens!

Gabi disse...

Day, incrível! Eu já perdi meu cabelo decorrente de uma doença. O fato é que para uma mulher principalmente é uma situação muito difícil, uma vez que damos muita importância para os nossos cabelos. independente de estilo ou não, essa garota é com certeza um exemplo, nos faz querer ser menos reclamões e um pouco mais gratos pela vida!

bjus linda

Sandra Kururu disse...

Menina, tive o prazer de conhecer este blog através do doce anjo, meu amigo querido, me diverti muito com suas postagens. e quiser visitar meu cantinho será muito bom!

Spertnez disse...

Ola,

sua percepção foi excelente, algo que os outros ficaram apenas "perplexos" você acabou vendo de outra maneira.
Mas, tipo fiquei me perguntando e se essa garota não fosse assim de cabeça erguida antes desse suposto câncer? Talvez, ela mesmo poderia ficar surpresa se encontrasse uma garota nas condições atuais dela. Ou ainda, poderia reclamar da vida antigamente e só agora da mais "valor".

Até mais.

Carlos Eduardo Ferreira disse...

Que percepção, Maravilhoso o texto e o blog. Parabéns. http;//advcarloseduardo.blogpot.com

Leonardo disse...

Adorei Day. Muita sensibilidade.